Antonio Hugo

Ser romântico, é ter a certeza, de que vale a pena amar; amar a todos, e a tudo o que for bom.

Textos










“DOIS TRAQUINOS”.

           (Cordel).

 

1º.

Aquele rio sob a ponte

Ponte que ela passava,

Quando eu vinha da escola

Sobre a ponte eu a encontrava

Ela estudava de tarde

De manhã eu estudava.

 

2º.

Era sempre ao meio dia

Ali na ponte ela estava,

De segunda a sexta-feira

Naquela ponte eu a beijava

Isto só por que seu pai

Ao menos desconfiava.

 

3º.

Ela já era mocinha

Nem sua boca eu alcançava,

Ficava nas pontas dos pés

Ela um pouquinho se abaixava

Não sei o que havia em mim

Que aquela moça gostava.

 

4º.

Eu era apenas um guri

Nem bonito eu me achava,

Cada dia ela crescia

Eu mais pequeno ficava

Um dia ela declarou

Que como louca me amava.

 

5º.

Eu era muito pequeno

Mas tinha muita idade,

Pra cada ano eu tinha

Cinco de sagacidade

Ela com todo tamanho

Não tinha nem a metade.

 

6º.

Um dia aquela mocinha

Puxou-me para o seu quarto,

Talvez na cabeça dela

Eu fosse o candidato

Pra lhe tirar a virgindade

Foi consumado o ato.

 

7º.

Obra do nosso destino

A mocinha engravidou,

Mas no ventre aquele feto

Foi gerado com amor

Já vivida e experiente

A sua mãe desconfiou.

 

8º.

Juntaram as duas famílias

E nos deram o veredicto,

Eu e minha namorada

Nem estávamos aflitos

Casamos ambos felizes

Ah! Casamento bonito!

 

FIM.







 

 

 

 

 

 

 

 

 

Antonio Hugo
Enviado por Antonio Hugo em 28/06/2007
Alterado em 28/06/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras