Antonio Hugo

Ser romântico, é ter a certeza, de que vale a pena amar; amar a todos, e a tudo o que for bom.

Textos








“O ABRAÇO DA MORTA”.
(Micro conto).

Numa região montanhosa e erma, exatamente onde eu nasci, é uma região nordestina, mas fica no inicio do nordeste há pouco mais de 600 km. De vitória do Espírito Santo via BR. 101, portanto inicio do Estado da Bahia, mais precisamente no extremo sul do Estado, bem próximo a Porto Seguro.
Existe uma região onde de um lado da BR há uma montanha que se divide em duas descendo um córrego no meio, do outro lado da BR a mesma coisa, uma montanha dividida em duas com um córrego no meio; esse lugar é nomeado como. Córrego dos dois irmãos.
Na margem direita da BR sentido ao Rio de Janeiro, ali morava uma velhinha, cujo nome era Antonio, era uma senhorinha de muita idade, e todos os moradores da região a conheciam, a respeitavam muito; ela era descendente de escravos, a maioria das pessoas ali havia nascidas pelas mãos dela, ela era uma parteira e era chamada sempre que uma gestante estava entrando em trabalho de parto, daí o respeito e consideração por essa anciã.
Quase todas as pessoas que ali habitavam, tomavam-lhe a benção; exceto aquele que tinha quase a sua idade, que,
“Diga-se de passagem”, eram poucos.
Ela morava numa casinha modesta coberta de palhas de coco de catolé, ela tinha três filhas e quatro filhos, uma das suas filhas morava em um “bordel”, de uma vila perto dali, um dos seus filhos, o mais velho era deficiente de uma perna, esse andava com duas muletas, e detestava ser tratado como um deficiente, até por que ele trabalhava duro para ganhar o seu sustento; é incrível, mas é verdade, ele trabalhava como serrador de tábuas dentro daqueles matagais, e gostava de tomar umas “manguaças”, quando “embriagado”, gostava de arranjar confusões.
Eu por minha vez ainda garoto, passava sempre pra lá e pra cá, na frente da casa dessa senhora, e como todos ali, eu também tomava a sua benção.
DONA Antonio tinha dez netos, quantia considerada pouca, para a idade que ela tinha, esses netos vieram de duas filhas, eram cinco netas e cinco netos; entre as mulheres havia duas lindas moças, que eram os meus xodós; elas brincavam comigo e mostravam muita amizade pela minha pessoa, porém um dia ainda garoto eu tive que partir, as duas demonstraram muita tristeza com a minha partida; eu também estava muito triste com aquela partida, até por que, era a primeira vez que eu viajava para longe, e não sabia se voltava a vê-las novamente, eu estava seguindo com destino ao Rio de Janeiro para morar com a minha irmã mais velha, e foi triste aquela despedida, até parece que eu estava indo para a forca.
Embora mantivesse contato com elas por cartas, os anos se passaram, eu nunca mais voltei ali.
Muitos anos depois, eu já adulto, fiquei sabendo que as minhas duas amigas quase irmãs, haviam morrido; foi difícil assimilar, só de pensar que eu não as veria jamais... A dona Antonia também já não existia mais... Resolvi então fazer uma visita aquele lugar, lugar que eu brinquei que eu aprendi a amar; lugar que eu nasci.
Ao regressar a primeira coisa que fiz foi visitar a velha casinha da anciã; lá estava a velha casinha... Com as portas e janelas abertas, como se a convidar os amigos para uma visita, a casinha estava sem cobertura, só as paredes estavam em pé; ao visitar aquela casinha me veio um nó na garganta, e eu não consegui conter o choro.
Fui me aproximando devagar, porém eu sentia que elas estavam ali, para receber-me, mas eu sentia a presença física das três; eu rodeei a casa, eu olhei canto por canto como a procura de alguma coisa... Sem a resposta encontrar.
Mas eu ainda sentia a presença das três; sai da casinha e subi numa rampa que ficava na frente da casa, olho para trás, e eis que as vejo acenando para mim; estavam vestidas com as roupas que eu conhecia, estavam muito alegres... Pois estiravam os braços na minha direção, como se quisessem me abraçar.
Uma delas a mais nova seguiu na minha direção, eu não senti nem uma espécie de medo... Era como se eu as visse com vida.
Por um momento pensei beliscar o meu corpo, para certificar que não estava sonhando, pisquei varias vezes acreditando ser miragem gerada pela saudade; mas era real... Elas estavam ali, na minha frente.
A moça continuava seguindo na minha direção, caminhando com os braços estendidos para me abraçar; eu ali parado sem esboçar nenhuma reação; o seu rosto, os seus olhos, os seus cabelos... Estavam tudo perfeito, e o seu sorriso era de alegria, era um sorriso de saudade.
Ela chegou junto de mim... Enquanto a anciã e a outra ficavam a olhar-me junto da casa; quando ela chegou junto a mim eu fiquei sem saber o que fazer; eu não sabia se a abraçava... Eu temia abraçar um corpo gelado, mas ao olhar naquele rosto tão terno, eu me enchi de coragem e a abracei.
Aquele corpo não estava frio... Foi um abraço forte, quente e gostoso... Foi um abraço cheio de saudade!
= FIM = 












Antonio Hugo
Enviado por Antonio Hugo em 11/06/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras