Antonio Hugo

Ser romântico, é ter a certeza, de que vale a pena amar; amar a todos, e a tudo o que for bom.

Textos






"A MANSÃO"
Página 01 de 07

Vendendo a sua verdura
naquela humilde sacola,
de manhã um vendedor
a tarde ia pra escola
era um batalhador
para não pedir esmola.

O menino lá da roça
que sonhava em ser Doutor,
era um sonho bem distante
sonhado por seu avô
conheceu gente importante
que soube lhe dar valor.

Um certo dia o menino
ao tocar uma campainha,
de uma mansão de luxo
ali saiu uma senhorinha
já era uma anciã
que ali morava sozinha.

- Pode entrar meu garoto
e não tenha cerimônia,
sente-se e fique à-vontade
o meu nome é dona Sonia
vou comprar suas verduras
não precisa ter vergonha.

Página 02 de 07

O garoto envergonhado
com os pés sujos de lama,
sentia-se inferior
na frente daquela dama
disse.- Não vou demorar
pois o dever já me chama.

A senhorinha sorriu
estendendo-lhe a mão,
- Você está trabalhando
por isso preste atenção
todos aqui têm vontade
de entrar nesta mansão.

O garoto então sentiu
daquela senhora a bondade,
ninguém lhe tratou tão bem
ali naquela cidade
com carinho e atenção
muita solidariedade.

Ainda envergonhado
ele adentrou na mansão,
segurando a sacolinha
com o seu chinelo na mão
sentiu-se hipnotizado
ao pisar naquele chão.

Página 03 de 07

A senhora o conduziu
até chegar à cozinha,
ele muito acanhado
segurando a sacolinha
ficou muito admirado
quando ouviu a senhorinha.

- Meu garoto fique calmo
eu quero lhe ajudar,
sei que é um bom garoto
sei que vive a trabalhar
se quiser morar comigo
nunca mais vai precisar.

- Fico muito agradecido
pela oferta que me fez,
mas eu moro com meus pais
com meus irmãos somos seis
eu trabalho pra ajudar
meu pai na despesa do mês.

- Além de ser bom garoto
você também é bom filho,
alimenta os seus irmãos
dando ao seu pai um auxílio
se quiser morar comigo
registrarei-lhe como filho.

Página 04 de 07

- Mais uma vez obrigado
mas eu não posso aceitar,
se eu sair lá de casa
como é que vai ficar
eles precisam de mim
quem é que vai ajudar.

A senhora deu risada
e num tom conciliador,
abraçou-se ao menino
e explicativa falou.
- Se é isso que te preocupa
já resolvi meu amor.

- Você vem morar aqui
com os seus pais, preste atenção!
Enquanto você estuda
morando nesta mansão,
seu pai trabalha, e sua mãe,
cuidará dos seus irmãos.

Já pegou a sacolinha
que tinha as verduras dentro,
a cabeça do garoto
transbordava em pensamentos.
- Vou lá falar com os seus pais
eu tenho bons argumentos.

Página 05 de 07

Saiu junto com o garoto
mostrando muita vontade,
com destino a casa dele
que era fora da cidade
ia falar com os seus pais
com toda sinceridade.

Ao chegar à sua casa
um ranchinho beira-chão,
falou sério pro seu pái
vamos morar na mansão
a senhora vai levar-nos
eu, vocês e meus irmãos.

O pai quase teve um treco
ouvindo o garoto falando.
- Que deu em você agora?
Você deve estar brincando!
Ou tá de miolo mole...
Ou então está sonhando!

A senhorinha sorrindo
disse pro homem - É verdade!
Vim aqui com o garoto
trazer solidariedade...
Vim buscar toda família
para morar na cidade.

Página 06 de 07

Quase nada pra levar
tinha naquele casebre,
um gatinho e um cachorro
e mais um casal de lebres
jogou tudo na carroça
conduzida por um jegue.

Chegando lá na mansão
já solto sem cerimônia,
o garoto perguntou
que fazer pra dona Sonia
o garoto agora solto
já não tinha mais vergonha.

Tinha um terreno baldio
onde o jegue ia ficar,
o casalzinho de lebres
também ficava por lá
agora aquela família
já tinha onde morar.

Agora aquela mansão
parecia ter mais vida,
com as crianças correndo
gritando e desinibidas
até a senhora Sonia
parecia mais bonita.

Página 07 de 07

O pai daquele garoto
que se chamava Miguel,
vivia agradecendo
postando as mãos para o céu
junto com sua mulher
que se chamava Izabel.

A senhorinha feliz
cada dia era mais forte,
agradecia a família
que lhe troxe muita sorte
cada dia que passava
estava longe da morte.

Deus no céu estava olhando
pra esta boa senhora,
que ajudando esses pobres
fez esta linda história,
quem dá a pobres, empresta a Deus;
ficou provado isso agora!

         = FIM =

Autor: Antonio Hugo.

Nota do Autor:

"Amigos leitores (as), esta história é ficção, e se houve alguma semelhança, terá sido mera coincidência".











Antonio Hugo
Enviado por Antonio Hugo em 21/01/2007
Alterado em 21/01/2007
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras