Antonio Hugo

Ser romântico, é ter a certeza, de que vale a pena amar; amar a todos, e a tudo o que for bom.

E-books
"O VAGABUNDO".
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2003
Tamanho: 35 KB
Formato: DOC
Sinopse:
Na verdade o vagabundo estava mais para mendigo, do que propriamente dito, "vagabundo", era um sujeito amável quando tratado com respeito, mas às vezes era um tanto mal criado quando o importunavam, ele não falava o seu nome para ninguém, no mínimo ele dizia o seu apelido, que era por sinal uma curiosidade este seu apelido, muito servidor e tinha um coração do tamanho de um bonde, muito inteligente, mas tudo isso você vai ver quando começar a ler esse romance, eu vou colocando aos poucos e você vai lendo, mas por favor deixe-me uma mensagem se está gostando ou não. Até mais com mais um pouco desse romance. O Autor: Antonio Hugo.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
"O MENINO HOMEM". (Infantil).
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2002
Tamanho: 34 KB
Formato: DOC
Sinopse:
Ari era um menino de apenas oito anos, mas com a sua força de vontade e a sua honestidade principalmente, conseguia vender as suas verduras e legumes de casa em casa, assim conseguia ajudar a sua família com o pouco que ganhava, era um garoto muito inteligente, muito querido pelos seus pais, seus colegas, e... Bem, o resto você vai saber quando ler, faça o download e confira. Abraços e até mais.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
"O SERRADOR".
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2006
Tamanho: 84 KB
Formato: DOC
Sinopse:
Um garoto pobre, morava com os seus pais e a sua irmã ainda garota também, os seus pais eram alcóolatras, e os obrigavam comprar bebida para eles, além de os espancarem constantemente, até que um dia... Bem, terão que baixar o texto para saber, obrigado por terem visitado o meu site, um abraço e até mais. Antonio Hugo.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
"A LINDA GAROTA POBRE"
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2000
Tamanho: 119 KB
Formato: DOC
Sinopse:
Rita era uma linda moça, de família muito pobre, moradora em uma região rural, na verdade era uma região muito seca, terra que passava até mais de um ano sem saber o que era uma gota de chuva. não tinha pai e vivia dando duro no cabo de uma enxada para sobreviver; ela era a terceira numa família de quatro filhas, ela tinha que fiar artesanalmente os tecidos para fazer as suas roupas, com apenas dezesseis anos, nunca havia visto um carro, nunca havia visitado uma cidade que não fosse a pacata vila que ficava um pouco mais próxima da sua casa. Mas linda como era, era muito cortejada pelos rapazes que a via, nas poucas vezes que saia o que não era comum os seus passeios onde podia ser vista por pessoas que não a conhecia. Rita conhece um bonito rapaz, de família muito rica...bem, quem quiser saber o resto da história vai ter que fazer o downloade aos poucos, conforme eu for publicando, este romance já se encontra devidamente registrado no EDA, e não tem previsão de quando será lançado à venda. Obrigado! Leiam e comentem por favor...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
Poeta de rua -
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2006
Tamanho: 916 KB
Formato: EXE
Sinopse:
Neste livro busquei inspiração nas lembranças de lugares bucólicos, espero ter transmitido a você um pouco do meu romantismo, sob o design de Kate Weiss.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
"O CAIPIRA"
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2005
Tamanho: 183 KB
Formato: DOC
Sinopse:
Na verdade Juarez não era propriamente um caipira, até porque ele não nascera na roça, simplesmente por circunstâncias financeira ele já estava morando ali naquele sítio fazia alguns anos, mas quem o apelidou assim foi o Doutor Getúlio, que teve um encontro um tanto turbulento com o Juarez, que por sua vez mostrou ao Doutor que de caipira ele não tinha nada, pelo contrário, ele era um mecãnico de mão cheia, chegando até receber desculpas do Doutor; na verdade este romance é mais uma aventura do caipira Juarez, tenho certeza que todos irão gostar, por esse motivo eu o publiquei integral o texto, boa leitura para todos, e obrigado por ler mais uma história escrita por mim.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
"O MASCATE"
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2002
Tamanho: 129 KB
Formato: DOC
Sinopse:
A cigarra cantou, eram seis horas da tarde, e aquele homem com a sua mala de couro pesada nas costas, cheia de bugigangas, roupas, brinquedos, sandálias, bijuterias, e uma infinidade de produtos. Já cansado de andar o dia inteiro, sem nada ser vendido, ao menos para aliviar o peso da mala. Os pés ardiam dentro daqueles sapatos de couro, os pés já cheios de bolhas e calos, e a sua garganta seca de inalar aquela poeira vermelha daquele lugar. Ele viajava por toda aquela região nordestina, mais precisamente pelo sertão; Passava semanas e samanas longe da sua casa, e da sua família. Bem amigos, é apenas uma sinopse, mas poderão ler muito mais, baixem o arquivo e acompanhem a trajetória desse homem, é uma história interessante. Um grande abraço para todos, e leiam...e comentem!

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
"O HOMEM DAS CAVERNAS"
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2005
Tamanho: 120 KB
Formato: DOC
Sinopse:
Já era noite, altas horas da noite...em uma velha caverna dormia um cidadão. Era um sujeito muito estranho, um tanto esquisito e maltrapilho, não tomava um banho devia fazer um bom tempo. Seus pertences era tão somente um saco de pano, que não dava para se ver a cor de tão sujo que estava, dentro dele algumas roupas e algo que servia de refeição, só que as roupas que estavam dentro do saco, estavam mais sujas ainda, que as que ele estava usando. Aquele homem usava um par de sandálias de couro cru, confeccionadas por si mesmo, cujas sandálias tinham o apelido de salga bunda, é que quando ele andava, as sandálias salpicavam areia e lama por toda suas costas. Já era aproximadamente onze horas, ou quase meia noite, estava ele sentado à beira de um fogo, sobre um saco de aniagem, recostado no seu velho saco de roupas, com o auxilio de uma pedra, tirava um cochilo quando vindo do nada lhe aparece uma pessoa, vestia uma túnica branca, mas não dava para distinguir o rosto. O sujeito de um salto levantou, e misturando surpresa e medo falou com voz tremula e gaguejando. - Quem...é você?! Mas não obteve resposta, ficou um pouco confuso quando o outro lhe fez um sinal com a mão, indicando para fora da caverna. Resolveu então caminhar até a entrada da caverna, e na sua frente andando rápido o outro se distanciava, ele então apertou o passo, até que o outro parou de baixo de uma árvore... Bem amigos(as), agora vocês tem o final dessa história, inteira ficção; espero que gostem.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
O FILHO DA ÍNDIA YARA
Autoria: Antonio Hugo
Ano: 2005
Tamanho: 477 KB
Formato: DOC
Sinopse:
Aquele terreno seco, cheio de morros empoeirados, cactos e mandacarus... Aos poucos ia aparecendo um chapéu, um tanto escurecido pelo suor, pela poeira e pelo tempo. De uma distância aproximada de uns quinhentos metros, sentada em uma pedra, onde se estendia uma das poucas sombras que existia por ali, estava uma observadora, que um pouco exausta pelo calor daquele sol escaldante do nordeste brasileiro. Olhava intrigada para aquele vulto que pouco a pouco crescia. Ouvindo o mastigar do seu fiel companheiro cavalo, que nos arredores pastava, as poucas folhas verdes que haviam caido no solo. Ela vestia calças jeans, usava chapéu cinza caido para trás sobre as costas, calçava botas de couro marrom, e usava uma blusa azul desbotada, cuja blusa estava amarrada na barriga, deixando a mostra seu lindo umbigo, e parte dos seus bem desenhados seios, tinha lábios vermelhos igual um morango maduro. Aquela silhueta ao longe ia crescendo, e alguns minutos depois dava para enxergar melhor que era um homem, alto e forte, trazendo nas costas uma sacola em forma de arfoje, na sua algibeira direita ostentava uma faca modelo escoteiro, logo após passar uma pequena rampa, havia uma poucas vegetações, e por entre umas pedras, algumas moitas de sizal, também havia uma caçimba com água suja, morna e um pouco esverdeada pelo limo. O homem deixando no chão a sua sacola, debruçou sobre a água, lavou o rosto e os braços, a água estava um pouco morna, mas sentiu-se melhor...

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Site do Escritor criado por Recanto das Letras