Antonio Hugo

Ser romântico, é ter a certeza, de que vale a pena amar; amar a todos, e a tudo o que for bom.

Meu Diário
27/01/2009 11h19
"RELÓGIO DA CENTRAL".






“O RELÓGIO DA CENTRAL”.
              
 
 
O relógio da central girava lento
Os minutos parecia eternidade,
O trem não vinha, saboreei cada momento;
Antes de ir, já sentia tanta saudade.
 
Um longo beijo, mais um abraço amoroso,
Um cafuné, um suspiro, chegava a hora,
Quão doce era seu beijo, tão gostoso,
A triste angustia de saber que ia embora.
 
Agora o silencio, cai uma lágrima,
Seus olhos tristes revelavam uma dor,
Uma voz triste brotava do diafragma
Nela notava-se um grande amor.
 
Entre soluços, então por que partir?
A pergunta deixava-me angustiado,
Era um grande desafio a descobrir...
Quase morrendo, o coração apaixonado.
 
Silencioso o trem já deslizava
A passarela da triste despedida,
Desvencilhando do abraço que abraçava
Era lançado o pior teste da minha vida.
 
Na multidão um aceno solitário
Não mais um adeus de despedida...
Um longo grito se desprende do calvário;
Diz, eu te amo! Amarei-te sempre querida!







Publicado por Antonio Hugo em 27/01/2009 às 11h19
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Antonio Hugo/ site: www.antoniohugo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
02/09/2007 19h29
"PÁSSAROS TENORES"









“PÁSSAROS TENORES”
(Rondel).

Há tempos não falei das flores
Flores que odorisam o luar!
Que encanta os meus amores
Pelos jardins a passear.

Lindos pássaros a cantar
Sobre os jardins multicolores,
Há tempos não falei das flores
Flores que odorisam o luar!

Meus passarinhos cantores
Que enfeita o mundo ao voar,
São exímios cantadores
Maestros voadores, a assoviar,
Há tempos não falei das flores. 


Publicado por Antonio Hugo em 02/09/2007 às 19h29
 
05/01/2007 20h51
"OBRA DE DEUS"
Ontem eu sentado sozinho
na beira de um riacho,
olhando as águas ligeiras
que descia ladeira abaixo.

Depois eu olhava para o céu
e via as nuvens voando,
elas pareciam véu...
E pareciam estar brincando.

Depois eu ouvia o vento
que de leve vinha soprando,
passava por entre as árvores
que pareciam estar falando.

O sol mostrava presença
as nuvens o encobria,
vejam quanta competência
eu pra mim mesmo dizia.

Tudo que Deus fez tem vida
a natureza tem voz...
Quando estão reunidas
encantam a todos nós.

Vejam só o corpo humano
que Deus fez com maestria,
tem sono durante a noite
desperta durante o dia.

Publicado por Antonio Hugo em 05/01/2007 às 20h51
 
13/05/2006 23h55
"ESTRELA MINHA"
A lua, vai clarear a imensidão
o céu, de nuvens brancas e douradas,
o sol, há de esquentar o coração
da mulher, que escolhi pra minha amada.

O mar, que vai banhar a multidão
as ondas, que brincando desliza a areia,
os meus olhos, que se encheram de paixão
por a mulher que escolhi pra minha sereia.

És a andorinha do meu verão
a vida que dá vida ao meu coração,
faz agitar o sangue em minhas veias.

Tu és o sol, que dá vida ao meu jardim
tu és a vida que sorrir pra mim,
és a estrela que na penumbra clareia.

Publicado por Antonio Hugo em 13/05/2006 às 23h55

Site do Escritor criado por Recanto das Letras